Meu Diário
05/03/2020 15h29
Eu em Lorena

Hoje pela manhã, dei uma passadinha na casa do meu querido irmão Geraldo Mota, em Lorena, para recarregar o coração de alegria e pureza ⚡️⚡️⚡️ Muito obrigada, meu irmão!!! 🌺❤️🥰 Foto de uma infância feliz, todos juntos...
***************************************
Vamos identificar os fotografados.
Atrás: Luiza com Salvadorzinho ao colo e Mamãe Mariinha Mota. À frente, da esquerda para a direita: Geraldo Mota protegendo-se do sol, Auxiliadora Vieira, eu, Nancy Leite Mota Guimarães e Miguel Mota. O menino ao lado da Mamãe e a menina ao lado do Miguel eram filhos do Sr. Geraldo, capataz de uma fazenda em Cunha (SP), onde ficava a escola de roça na qual Mamãe lecionou logo após ser aprovada em concurso Estadual.


Publicado por Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz em 05/03/2020 às 15h29
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
25/02/2020 11h53
A pequenina Júlia em Carnaval de rua no Rio de Janeiro

Minha bela e adorável netinha JÚLIA - inspiração da Júlia Fashion - ao lado da bela e charmosa priminha Sophia, em Bloquinho de Carnaval no Rio de Janeiro, às vésperas de completar 1 ano e nove meses de idade.


https://www.facebook.com/silviamotapoeta/videos/10215057288697331


Publicado por Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz em 25/02/2020 às 11h53
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
13/01/2020 15h46
Irmã Dorothy - o anjo da Amazônia - [Divulgação]

"Não vou fugir e nem abandonar a luta desses agricultores
que estão desprotegidos no meio da floresta.
Eles têm o sagrado direito a uma vida melhor numa terra
onde possam viver e produzir com dignidade sem devastar"

[Dorothy Mae Stang conhecida como Irmã Dorothy
foi uma freira norte-americana naturalizada brasileira]

 

Salve Dorothy

Postado por bcamara - 13 - fev - 2011 às 11:53

O sexto aniversário do assassinato da freira Dorothy Stang em Anapu, no Pará, praticamente passou em branco no Brasil. Nilo D'Avila, hoje coordenador de políticas públicas do Greenpeace em Brasília e que na época da morte de Dorothy trabalhava na campanha da Amazônia, foi um dos poucos que não se esqueceu. Ele mandou mensagem para nossa equipe relembrando o dia em que a freira morreu. Vale ler o que Nilo escreveu:

"Foi num sábado, 12 de fevereiro de 2005. Por volta das 10h da manhã, cheguei no escritório em Manaus para trabalhar. Meu prazo para entregar o 1º esboço da pesquisa sobre soja estava vencendo e todo dia era segunda feira naqueles dias. Telefones tocando, atendo contrariado um deles e de sopetão recebo a notícia: mataram Irmã Dorothy Stang. Grande parte do time do Greenpeace na Amazônia estava, naquele dia, com a então ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, participando da assembléia de criação da associação comunitária da reserva extrativista Verde Para Sempre em Porto de Moz. Em Manaus me lembro de Marcelo Marquesini, Tica Minami e Cordelia iniciando um longo trabalho de filtragem de informação e apoio logístico. O fim de semana tinha acabado para nós e o trabalho de soja foi colocado em segundo plano.

Trinta e seis horas depois, a turma de Porto de Moz foi para Anapu e eu fui parar em Belém. Encontrei, no salão onde foi prestada uma homenagem a Dorothy antes de o corpo retornar para Anapu, vários desorientados e abatidos ativistas das causas sociais e ambientais que, como eu, tentavam entender o que estava acontecendo. Além de Dorothy, quatro lideranças dos trabalhadores rurais do Pará foram assassinadas naquele sábado. Era um plano? Nunca saberemos. Não fui para Anapu, mas o Greenpeace estava lá representado por Paulo, Carlos e outros.

Os dias que se seguiram foram agitados: O exército chegou, reservas foram criadas, prisões e julgamentos começaram a acontecer. Um enredo conhecido de reações, atrasadas do Estado ao assassinato de uma liderança que virou noticia. Foi assim com Chico, não foi assim com DEMA, Fusquinha, Brasília...

Lembro sempre dos telefonemas de Dorothy para o escritório. O sotaque forte do outro lado da linha e as coisas sempre ditas duas vezes para não deixar duvidas no interlocutor. Prosa rápida, sempre seguida de um aviso que tinha mandado mais uma denuncia para o IBAMA ... "você pode ajudar quem depende da floresta?"

Sempre tentando, sempre tentando Dorothy...

Salve Dorothy!
Anapu: Entidades homenageiam Dorothy e apóiam resistência
quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011


O ato público de homenagem a irmã Dorothy Stang e de solidariedade àqueles que continuaram a sua luta em Anapu ocorreu no início da tarde do dia 12 de fevereiro, no Centro de Formação São Rafael, local onde a missionária foi enterrada.

As caravanas presentes vieram de várias partes do estado do Pará. Belém, Ananideuma, Castanhal, Capitão Poço, Santarém, Altamira, Paragominas, Concórdia do Pará, Uruará foram algumas cidades citadas como presentes no evento, além de uma delegação do Maranhão, uma estudante de Goiás e ainda missionárias americanas da congregação de Notre Dame de Namur, da qual fazem parte outras missionárias que atuam na região, inclusive Dorothy.

O ato teve início com a fala da Superintendente do Incra de Santarém, Cleide Souza, que reafirmou os compromissos assumidos na audiência pública ocorrida no último dia 25 de janeiro

A dirigente anunciou que esteve em reunião com a Direção do Incra em Brasília que disponibilizou recursos para a imediata construção de guaritas de segurança nas principais entradas do assentamento, uma das principais pautas das famílias que estão acampadas no PDS Esperança.

A Senadora Marinor Brito (PSOL-PA) fez inicialmente uma fala de homenagem à Dorothy Stang para em seguida fazer um duro discurso contra a ingerência de políticos ligados ao Partido dos Trabalhadores na região. Marinor fez referência direta à governadora Ana Júlia Carepa, lembrando que por diversas vezes equipes de fiscalização ambiental e de segurança não foram enviadas para Anapu por interferência direta da petista, o que permitiu o crescimento da extração ilegal de madeira e o clima de violência.

Mary Cohen, representando a OAB no ato, lembrou os processos de prisões, ameaças e criminalização de lideranças e movimentos sociais em todo o estado do Pará.

Diversas entidades sindicais e movimentos sociais se sucederam em falas de homenagem, solidariedade e denúncias. Estiveram presentes a Central Sindical e Popular Conlutas; o Sindicato da Construção Civil de Belém; o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto; o Movimento Terra, Trabalho e Liberdade; o Movimento Xingu Vivo para Sempre; a União das Entidades Comunitárias de Santarém; a Federação das Associações de Moradores e Comunitárias de Santarém; a Consulta Popular; o Movimento de Atingidos por Barragens, o Conselho Indígena Tapajós-Arapiuns; Núcleo de Assessoria Jurídica Popular “Cabano”; a Comissão de Justiça e Paz da CNBB Regional Norte II; a Prelazia do Xingu; o Movimento Mulher; o PSTU e o PSOL.

O movimento estudantil esteve em peso com estudantes de várias partes do estado e de várias entidades: a Associação Nacional dos Estudantes-Livre; a União dos Estudantes de Santarém; o DCE da Universidade Federal do Oeste do Pará e diversos Centros Acadêmicos da Universidade Federal Rural da Amazônia.

Depois de encerrada a seqüência de intervenções, houve um ato simbólico em volta do túmulo de Dorothy, seguido de plantio de mudas na área do centro de formação.

As atividades da noite incluíram um jantar comunitário e uma festa dançante chamada “Forró da irmã Dorothy”. Apesar de soar estranho para alguns, as pessoas que conviveram com a missionária afirmam que mesmo nos momentos mais difíceis, Dorothy demonstravam muita alegria e fazer uma festa é uma das melhores formas de lembrá-la.

Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz.
Divulgação/Homenagem


Publicado por Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz em 13/01/2020 às 15h46
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
13/12/2018 14h29
Meu Poetrix e a possível cirurgia para retirada do baço

Não obstante o posicionamento das veterinárias do Rio de Janeiro, sobre a necessidade de cirurgia para a retirada do baço (dobrou de tamanho em dois anos), Poetrix está bem.

Aparentemente, está mais ativo. Iniciamos um regime rigoroso (não passa fome) e parece-me que já emagreceu uns quilinhos. Com a medicação correta para as dores nos ossos e na coluna, que começou a tomar ontem à noite, no passeio matutino de hoje caminhou mais e nem queria voltar para casa. Deitou-se no gramado da pracinha e permaneceu como um reizinho admirando a paisagem natural e humana... Chama a atenção, por onde passa, pela beleza e tranquilidade que ostenta.

Ontem, visitei a clínica SOS Animal, em Lorena, onde Poetrix será operado. Trata-se de um local bonito, limpo e organizado. Emergência e atendimento 24 horas. Chorei um pouco... mas a cirurgia será necessária.

Falta-me marcar consulta com o cardiologista, para a realização de eletrocardiograma e ecocardiograma necessários à emissão do risco cirúrgico e, também, submetê-lo ao RX de tórax, para verificar possíveis metástases. Se houver algum problema, não será operado. Nesse caso, o monitorarei constantemente, até o final, para ampará-lo nos momentos que virão e evitar-lhe sofrimento desnecessário. Por outro lado, com o sucesso da cirurgia, tudo ficará em paz novamente, porque a falta do baço não gera problemas nem para os animaizinhos e nem para os humanos.

Agora, é orar e fazer de tudo, para que o meu pequenino fique bem.

Na foto abaixo, aparece a barriguinha raspada para a realização da utrassonografia.

 

 


Publicado por Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz em 13/12/2018 às 14h29
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
09/12/2018 10h21
Meu Poetrix...

2018 não está sendo bom para mim, em matéria de sustos com relação à saúde.

Em decorrência dos últimos exames, suspeita-se que Poetrix esteja com câncer no baço. Enviarei todos os exames de sangue e a ultrassonografia para a veterinária do Rio de Janeiro, porque as informações prestadas pelos veterinários da minha cidade parecem contraditórias. Também, consultarei a opinião de outros veterinários, antes de tomar providências mais sérias. Os animaizinhos podem viver sem o baço e, ainda que o meu menino seja idoso, com os cuidados necessários, uma possível cirurgia poderá realizar-se. Estou muito triste, mas, seja o que for, cuidarei do meu pequenino e tudo farei para poupar-lhe sofrimento. Preparo o meu coração...

Hoje, ao perceber que não estava mancando (ofereci-lhe Cronidor na madrugada), saímos a passear até a pracinha próxima de casa. Como parece feliz em contato com a Natureza! Desde o dia em que aqui chegamos não saí com Poetrix, para não sobrecarregar a patinha que o faz mancar. Está em regime, porque necessita mesmo perder peso. Controlo tudo direitinho e o meu filhotinho de quatro patas não parece sofrer com a diminuição da ração. Mantenho-me atenta a isso também. Vamos torcer que o aumento do baço seja motivado por outras situações não fatais.

É preocupante a notícia que recebi no dia 4 de dezembro, última terça-feira. Demorei a decidir-me se escreveria a respeito ou não.

 

 


Publicado por Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz em 09/12/2018 às 10h21
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 1 de 7 1 2 3 4 5 6 7 próxima»


Imagem de cabeçalho: jenniferphoon/flickr