Textos


Virtude teologal ao desatino


Vítima inconteste de tradição perdida,
sou romântica ativa que busca no vazio do nada
a perfeição inútil do reencantamento do Mundo.

Ao vislumbrar Narciso crucificado à doçura do vento,
a espelhar vaidade sob o açoite fatal de versos forjados,
choro à subjetividade oceânica desse cavo sentir.

Ego ideal arquétipo – origem sem fundamento?

Instância aberta à alteridade – ou sou mulher ou anjo!

Rio de Janeiro, 24 de julho de 2010 – 5h28.
Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Enviado por Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz em 25/07/2010
Alterado em 25/07/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: jenniferphoon/flickr