Textos



Desisti de ser mulher


Destruo-me feroz e folha branca invento,
desfaço-me da inércia, anônima nociva...
Em traje rico falso, estéril e lasciva,
ofendo à natureza e me ofereço ao vento.
 
Qual flor ferida ao mel e sem meu fero intento
defloro-me integral na lágrima cativa...
À chuva amargurada elevo a tez altiva,
corrompo-me em falsária e és tu meu réu sedento.
 
Adoro-te no macho - um fêmeo sem talento –
que avilta meu rugido encarniçado - e proba,
amorfo ser mulher - desfaço-me em tormento.
 
Soluço ao beijo teu – u’a flor apaixonada –
e após fazer amor reluto - viro loba,
desisto da mulher - sou nunca mais... um nada!

Cabo Frio, 19/25 de outubro de 2009 – 00h44
Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Enviado por Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz em 12/02/2010
Alterado em 12/06/2016
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: jenniferphoon/flickr