Textos

mamaeprofessora.jpg
 
Mãe
 
Ainda jovem escrevi, em tua homenagem, um poema, do qual não me recordo, com precisão, os versos... Lembro-me, apenas, ter construído, a partir da pureza adolescente, uma declaração de amor ao sentimento de amor extravasado continuamente dos seus poros.

Exaltei-te a face, o sorriso, as palavras... e tudo quanto exsurgia diante dos meus olhos a se plantar robusto na minh'alma... Por esse poema, colhi um prêmio oferecido aos jovens estudantes da região. Mas, pergunto-me, se foi a cadência poética ou o amor ali descrito, a verdadeira razão daquela vitória... Em realidade, isso pouco importa, agora, não obstante interesse que sobrevivam, insignes, o amor, o respeito e a admiração ali descritos, arraigados na minha vida.

Mamãe, ao invés de tão somente construíres morada no meu coração, dele fizeste domicílio eterno e inextinguível...

Em meu pensar, a respeito de ti, diviso serem as estrelas das noites ineptas para enunciar tuas bondades; as águas dos oceanos insuficientes para asfixiar tua fé inquebrantável e as montanhas que ladeiam nossas terras, quedam-se anemizadas, ante o verdor da esperança, contagiante, expressada nos teus gestos de patriotismo.

Ao pensar em ti, minha Mãe, confundo gata e leoa, mansa e feroz, no carinho ou defesa dos seus filhotes...

Ao ambicionar ser espelho de ti, Mãe poeta, perco-me nas raias do simples arremedo e, ao ensejo de ser educadora, arruíno-me num confronto às palavras, pois não cultivei a abnegação e a benevolência naturais das tuas atitudes.

Ao cobiçar ser teu espelho, Mãe amante atraente, não ultrapasso a falível paixão e, ao desejar ser pura, só consigo entregar-me aos prazeres da carne mais profundos.

Não me foi exeqüível, até o momento, desenovelar os limites da minha incapacidade de ser assim - cabalmente humana - da forma como és, minha Mãe!

Engraçado... ainda hoje, estorvo-me, ao procurar vocábulos ou expressões suficientes para definir-te e, neste momento de inaptidão reconhecida, restrinjo-me a ser a menina-moça de outrora, quando encerrou assim o seu poema:

"Minha Mãe é o ser imarcescível
que eu descrevo nestas simples linhas.
Seu amor é tão grande, imensurável,
que já não cabe nestas frases minhas."

Felicidades, mamãe!!!
Um beijo carinhoso da filha,
Sílvia Mota.


******************************************
[Homenagem realizada no Dia das Mães, 13 de maio de 2001, quando a mente fabulosa da minha mamãe ainda conseguia reconhecer em mim sua segunda filha].
*****************************************
Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Enviado por Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz em 18/01/2014
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: jenniferphoon/flickr