Textos


À janela da alma...

Nenhum ser humano se desnuda, por inteiro, a outro. Quiçá, nem a si mesmo... Surpresas, somos sempre. Olhamo-nos e exibimo-nos pela janela inquieta da própria alma, sob o formato de diversas telas - representações de nós mesmos. A cada vivência, travestimo-nos de cores, mas nunca temos consciência da palheta total e nem da habilidade dos pincéis colocados à nossa disposição pela Vida. Na verdade, representamos o tempo todo, nutridos pelas buscas. Às vezes, agradamos a nós e aos outros; outras vezes, somente a nós; e outras vezes, ainda, desiludimos a nós e aos demais... É a Vida...
 
Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Rio de Janeiro, 3 de janeiro de 2014
Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Enviado por Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz em 03/01/2014
Alterado em 29/07/2018
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: jenniferphoon/flickr