Textos


O dom eterno da paixão

Por somente pensar em ti, desfaço-me em poesia. És o encanto de uma vida inteira... o sonho... a paz...

Procurei-te ao sabor de todos os beijos, à sofreguidão de cada abraço, em todos os pecados cometidos, em cada desilusão... Chamei por teu nome, quando nasceram minhas saudades e afoguei-as em cada lágrima. Milhões de vezes afoguei-as e milhões de vezes salvei-as. Porque, ao salvar tua lembrança, mantinha a possibilidade de concretizar meu sonho.

Amei-te em cada movimento dos meus cabelos soltos, no colorido das unhas, nos pelos intactos - dourados e ouriçados - ao teu fetiche. Senti tua presença nos troncos das árvores plantadas pelas esquinas e, em todos os portais, senti a força do abraço que me apertava insano. Ouvi tua voz no cantarolar das emoções e fiz-me busca constante... Pelas primaveras da vida, desfiz-me em saudades e senti teu perfume na minha solidão...

De tanto procurar, cansei... e quedei-me em silêncio a relembrar o passado... Desse silêncio, renasceu a poesia que despertavas ao simples toque das tuas mãos ou ao sorriso do olhar... Lembrei-te outra vez.

Então, a partir do silêncio, da poesia e da lembrança imortal, o mundo devolveu-me a ti, em forma de canção... Agora, temos a possibilidade de reviver aquele amor, mas a tudo isso entrelaça-se um medo enorme de perder-te outra vez...

O que fazer, se despertas em mim o dom eterno da paixão?

 
Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Cabo Frio, 23 de maio de 2009 - 17h30
Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Enviado por Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz em 23/01/2011
Alterado em 12/09/2016
Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: jenniferphoon/flickr