Textos


Sonho singular...
 
E, solitariamente leve, muito leve,
tão leve que flutuo, tão leve que voejo...
Coberta de pelos, nua ao próprio pelo...
 
Solitariamente só
impetro os píncaros
da paixão solitária...
 
Depois, vestida de amor, caio nua!
 
Nua! Em tua_minha cama vazia.
 
Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Rio de Janeiro, 4 de agosto de 2012 – 17h34
Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Enviado por Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz em 09/09/2018
Alterado em 09/09/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: jenniferphoon/flickr