Textos


Arrogância intelectual e inveja poética


Este texto é um dos 100 primeiros colocados no Concurso Contos Curtos Via Literária 2009, num universo de 3517 concorrentes. Publicado em Antologia correspondente.
**************************************************************************************

Divino era “O Invejoso”, por natureza! Poeta, fixara-se em mim-poeta, esquizofrenicamente. Em tudo mereci censuras: fui retrógrado, inábil, mal amado e sonhador, pessimista infeliz e, até, um tarado sexual em potencial, desses que adoram meninas e meninos!

Talvez, Divino entendesse que o poeta pode ser um fingidor circunstancial, mas não sabia que o poeta nunca engana! E, ao sabor daquela confusão, expunha seu interior, quase sempre sujo e truão. Feio. Meu melhor amigo. Deixo isso bem claro! Gostava dele.

Pelas sendas dos 40 encontrava-o nas ruas macambúzio, jururu, voz macia e discurso arbitrário, a atrair moças ermas e carentes.

Certo dia escreveu “O Poeta”, no qual ignorou a significação universal do termo. Sob um título geral, expôs anseios e ações próprios. Restou das suas palavras um poeta robô, tolo que não pensa, não ama, não fode, não goza. Nenhuma virtude, nenhum prazer. Um nada. Noite alta – li e reli. Universalizara suas malquerenças. Quanta arrogância intelectual! Dores, tristezas, incertezas e inseguranças... Em tudo, Divino vomitara nos demais vates! O que entenderia de todos os poetas? Uivo de frustração. Deformidade. Não poesia.

Ao final, surpresa! Oferecera a mim, tal absurdo! Ah! Bufei! Sentei-me e escrevi, incontinenti. Sentimentos, numa rapidez demoníaca, escritos para um Divino carente de lições conexas à humildade poética. Planeei verso a verso, rima a rima, o “eu-poético” daquele abelhudo! Modéstia à parte, pela facilidade extraordinária que ostento para escrever qualquer coisa, foi-me fácil a vingança! Aquilo, sim, era poema! Um decassílabo-sáfico-heróico, observando a sonoridade nas 4ª, 6ª, 8ª e 10ª sílabas poéticas, acentuadas mais fortes, intitulado: “Tu, Poeta!”

Divino morreu. Acharam-no só, apodrecido, com um monte de folhas brancas a entupir-lhe a garganta. Mesmo brancas, fediam, também! Fico a pensar: inveja mata, mesmo?

Releio “Tu, poeta”. Perfeito!

Não admito arrogância intelectual! Muito menos, entre poetas... amigos!
Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Enviado por Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz em 06/06/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: jenniferphoon/flickr